Desafio Brasil de Adestramento, curso para juízes e clínicas agitaram o Haras Adal, no Paraná

Na última semana, o adestramento movimentou os praticantes da modalidade no estado do Paraná com vários eventos no Haras Adal, da família Dalcanale, na região metropolitana de Curitiba. Em 13 e 14/9 teve clínica de Adestramento com a amazona Isabela do Valle, oferecida pela CBH, destinada a preparar os conjuntos para a prova do Desafio Brasil e fomentar da modalidade. Ao todo 19 conjuntos tiveram a oportunidade treinar de Isabela do Vale Arenzon, que ficou muito empolgada com o entusiasmo dos cavaleiros e amazonas locais.

Na sexta feira, 17, aconteceu o curso de reciclagem CBH para juízes e formação estadual ministrado pela juiza internacional 4* Sandra Smith. No primeiro dia, o enfoque foi a reclicagem em que os participantes tiveram a oportunidade de revisar pontos importantes do regulamento e discutir as alterações dos últimos anos, contando com debates de casos concretos. O curso se encerrou no sábado à tarde com uma explicação e demonstração das andaduras dos cavalos, escala de treinamento e exercícios. “Os participantes estavam muito interessados e fizeram diversas perguntas, contribuindo com muito entusiasmo, o que enriqueceu bastante o curso”, ressalta Sandra Smith.

Já sábado, 18, pela manhã, foi realizada a inspeção veterinária, momento em que os concorrentes aprenderam como devem apresentar os cavalos e já se prepararem para a inspeção do Campeonato Brasileiro de Adestramento. A seguir, começou o Desafio Brasil de Adestramento, também válido pelo Campeonato Paranaense, que contou recorde de 30 inscrições e também de público, com ótima organização e cumprimento dos protocolos de prevenção à Covid. Diversas hípicas da região de Curitiba prestigiram o evento e os cursos, inclusive com a participação de praticantes da modalidade Salto.

A cada ano o Desafio Brasil cresce e gera mais frutos. “O evento foi pensado exatamente para esse fim. Não adianta querermos crescer e fomentar e modalidade sem apresentar o Adestramento a mais praticantes de hipismo, nos limitando aos locais em que a modalidade já é desenvolvida. O Desafio Brasil está chegando às escolas, demonstrando a importância da base na formação de atletas e cavalos e com isso a modalidade esta crescendo”, destaca Eliana Azar, diretora de Adestramento da CBH.

“Mediante a quantidade de crianças e participantes da série Juvenil no Desafio Brasil, especialmente no Paraná, além de cavaleiros e amazonas de outras modalidades que demonstraram interesse também pelo Adestramento, muitas vezes absolutamente desconhecidos para esses praticantes de hipismo, confirmamos a importância de levar recursos e apoio a outros Estados. O resultado dos eventos e das clínicas deste ano nos fazem acreditar que esse é o caminho”, acrescenta Eliana.

Como sempre a prova organizada pela diretora de adestramento do Paraná, Cecilia Dalcanale, correu muito bem e a foi organizada nos mínimos detalhes. A premiação foi recheada de mimos especiais para os participantes, muito entusiasmados e pedindo a repetição do evento e da clinica. Ainda no sábado três juízes estaduais fizeram seus shadow judgings (julgamento sombra) com a intenção de obter os pré-requisitos para postularem o curso de ingresso no quadro nacional.

No domingo, 19, muito ensolarado, aconteceu a clínica na qual os juízes Sandra Smith (FEI4*) e Ricardo Leão (CBH oficial do Rio Grande do Sul) ministraram aulas aos 16 melhores resultados do Desafio Brasl do dia anterior. Cada juiz ministrou a clínica a oito conjuntos, fechando a semana com um resultado muito positivo dos cavaleiros do Estado.

O novo formato do Desafio Brasil neste ano, com a participação de dois juízes em cada evento, propiciou que o dobro de conjuntos participasse das clínicas e depois das provas, com direito a feedback dos juízes e orientações relevantes para o aperfeiçoamento dos cavaleiros, o que tem agradado bastante os praticantes. O evento tem se mostrado uma ótima oportunidade para que juízes de diferentes Estados vivenciem a experiência de viajar e julgar novos conjuntos, mantendo sua atividade no quadro, permitindo, ainda, que novos juízes estaduais tenham a oportunidade de acompanhar as provas e os julgamentos em conjunto com os juízes da CBH.

Iniciante Juvenil – 9 conjuntos
1º Yasmin Soares / Fire – 65,100%
2º Isabela Loicono Gavazzoni / Duque – 64,895%
3º Manuela Sales / Fire – 64,855%

Iniciante Amador – 1 conjunto
1º Gracielle Greco / Chello – 61,045%
Elementar Juvenil – 5 conjuntos
1º Letícia Lobato / MK Serena – 68,02%
2º Brayan Carneiro / Atleta – 64,31%
3º Pietra Coccioli / Vulkan – 63,26%
Elementar Amador – 6 conjuntos
1º Alexandra Moutinho de Souza Benites / Dakota – 65,085%
2º Alexandra Moutinho de Souza Benites / Sunny Boy – 64,83%
3º Cezar Miyashiro / Passion – 64,480%
Preliminar Amador – 2 conjuntos
1º Cecilia Ortega Lyng Dalcanele / Quattar Adal – 64,785%
2º Maria Francisca Mohr / Mustang – 60,29%
Preliminar Profissional – 1 conjunto
1º Thiago Asinelli / Kawai HSF Casa do Ceramista – 63,355%


Preliminar Juvenil – 1 conjunto
1º Alexandre Mendes de Oliveira / Hamor Bella – 64,645%

Média I – 2 conjuntos
1º Monique Cristine Ferreira da Silva / Brigitte – 63,340%
2º Peterson Wosniack de Paula / Centauro MN – 62,260%
Média II
1º Juliana Ribas / Mufassa – 62,960%
Forte I
1º Cintia Cimbaluk / Cortes CPAE – 63,220%

Fonte: CBH

Posted in adestramento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *